King e Gaiman nas telas!

Olá, leitores! Tudo bem?!

Hoje viemos com duas notícias quentinhas para os fãs de Stephen King e Neil Gaiman :)
Comecemos pelo primeiro... o nosso excepcional Sr. King! Já tínhamos comentado anteriormente aqui no blog que a saga "A Torre Negra" estava com projetos de virar filme, com o ator Idris Elba, protagonizando a versão cinematográfica, na pele de o Pistoleiro (leia aqui).
Pois é, minha gente... depois de anos de especulação, não é que o filme realmente saiu?! :) O trailer oficial foi lançado ontem, quarta-feira (03) e nos deixou com o coração na boca! Adoramos e, com certeza, a notícia fez a alegria de milhares de fãs como nós :). Além de Idris Elba, o elenco do filme também conta com a participação de Matthew McConaughey, como o Homem de Preto. No Brasil, "A Torre Negra" tem previsão de estreia para 27 de julho. As resenhas dos primeiros dois livros da saga estão disponíveis no blog (aqui1, aqui2)





Muuuuito legal, né gente?! Agora só nos cabe aguardar :)

Agora com relação à segunda parte do post de hoje, que se refere ao Sr. Gaiman. :) Essa semana, mais precisamente dia 1, estreou a tão aguardada série "American Gods", inspirada no livro "Deuses Americanos, livro lançado em 2001, tido por muitos como a obra-prima do autor Neil Gaiman. A primeira temporada, que conta com oito episódios, está disponível no serviço de streaming Amazon Prime Video.
A série televisiva traz elenco composto por Ricky Whittle (Shadow), Ian McShane (Wednesday), além de Gillian Anderson, Emily Browning, Pablo Schreiber e Crispin Glover.





Mais uma série para nos viciar, não é? Anotem aí na listinha...

E então pessoal, o que acharam das últimas novidades?

08 de Março: Dia Internacional da Mulher

Olá leitores, tudo bem?!

Hoje é 8 de março, o dia escolhido pela ONU, em 1975, para homenagear as mulheres internacionalmente. A data é usada para celebrar e relembrar as lutas e conquistas de direitos alcançadas pela mulheres nas mais diversas esferas da vida. Ainda não vivemos em um mundo onde o respeito e os direitos são vividos de forma igualitária, não existem dúvidas de que há ainda muito por se fazer. Porém, a celebração é importante. Precisamos olhar para trás e valorizar tudo aquilo que mulheres de outras épocas lutaram para ter e que, na atualidade, muitas podem usufruir sem questionamentos, como o simples direito de aprender a ler e escrever. Na sociedade contemporânea ocidental, esse direito é praticamente intrínseco, mas, apesar disso, em muitos lugares, ainda permanece viva a luta de séculos atrás pelo direito de aprender. 

A questão de gênero sempre colocou a mulher como segundo sexo, o feminino como inferior ao masculino, o que a fez carregar consigo todos os significados que a palavra 'inferioridade' traz, que vão desde a falta de valor e importância, até a submissão e obediência total a um ser superior. A luta por direitos fez com que as mulheres precisassem percorrer caminhos tortuosos para fazer valer igualmente a sua voz. Na literatura, por exemplo, a mulher era desencorajada ou, muitas vezes, aconselhada a criar pseudônimos masculinos, a fim de ter sua obra publicada e respeitada, pois não era de bom tom uma mulher ser escritora.

Pensando nisso, decidimos que hoje nosso post seria para homenagear escritoras de 15 grandes livros a nível mundial. São textos que, quebrando barreiras de língua, alcançaram notoriedade ímpar, seja pelo retrato de uma época, pela capacidade de descrever uma era sob a perspectiva feminina, por fazer denúncias sociais, seja pela criação de grandes personagens e universos de fantasia. Sabemos que a lista é muito curta de fato. Porém, tentamos com esses 15 títulos abraçar grandes nomes e escolhemos mulheres representantes de diferentes épocas, culturas e gêneros literários.


J.K. Rowling
A autora britânica, criadora do universo de magia de Harry Potter, é uma grande representante da literatura infanto-juvenil. Com vida literária voltada à criação de cenários fantásticos, Rowling recebeu o Prêmio Hans Christian Andersen de literatura, em 2010.



 
Mary Shelley
Escritora britânica do século XVIII, foi a grande criadora do romance gótico "Frankenstein", história cujo personagem foi imortalizado através de inúmeras adaptações para o teatro e cinema. Mary Shelley escreveu também contos, ensaios e dramaturgia.



Agatha Christie
É a maior escritora de romance policial de todos os tempos, sendo considerada a Rainha do Crime. Escreveu mais de 90 livros, traduzidos em diversas línguas em todo o mundo. Agatha ainda publicou 6 romances românticos sob o pseudônimo de Mary Westmacott. Com tantos livros escritos, são diversos os títulos de destaque, entre eles "Assassinato no Expresso do Oriente".



Anne Rice 
Escritora norte-americana contemporânea, conhecida por seus livros que mesclam literatura fantástica, terror e romance. Fez muito sucesso com sua série de livros sobre vampiros, chamada "Crônicas Vampirescas". Entre seus títulos, destaca-se "Entrevista com Vampiro", obra adaptada igualmente para o cinema.




Marion Zimmer Bradley
Outra autora norte-americana, com romances sobre fantasia e ficção científica. Sua mais famosa obra, "As brumas de Avalon", reconta a lenda do rei Artur sob a perspectiva feminina e, desde que foi lançada, vem conquistando gerações. Foi essa série que elevou o prestígio de Zimmer enquanto autora, estando ela durante três meses na lista de best-sellers do New York Times na época de seu lançamento.



Irmãs Brontë
Três irmãs inglesas nascidas em meados do século XIX, durante a época Vitoriana.Órfãs de mãe, com dificuldades financeiras e educação precária, as irmãs se tornaram mitos e pilares da literatura inglesa. Charlotte, Emily e Anne lutaram contra os mais diversos preconceitos para verem seus contos publicados, recorrendo inclusive ao uso de pseudônimos masculinos para que suas histórias fossem lidas sem preconceitos. As Brontë são responsáveis por obras como "Jane Eyre", escrita por Charlotte, "O Morro dos Ventos Uivantes", de Emily, e "A Inquilina de Wildfell Hall", escrita por Anne.

Jane Austen
Outro grande pilar da literatura inglesa, Jane Austen retratou os costumes de uma época. Com personagens e diálogos cheios de ironia e reflexão, Austen fez a denúncia dos valores vigentes na sua sociedade, com destaque para os preconceitos, ambições, vaidades e orgulhos que transparecem através de personagens notórios. "Orgulho e Preconceito", sua mais expressiva obra, é um dos livros mais lidos no mundo.


Thrity Umrigar 
Escritora e jornalista indiana, Thrity Umrigar escreve romances onde, de forma delicada, descreve os valores vigentes em uma sociedade onde o sistema de castas influencia as relações interpessoais. "O Espaço entre Nós" é um exemplo da obra da autora.



Isabel Allende
Nascida no Peru, mas com nacionalidade chilena, Isabel Allende é um dos grandes nomes da literatura latino-americana. Suas obras trazem fortes personagens femininas, apaixonadas por seus ideais, em grandes momentos históricos da sociedade da América do Sul. "A Casa dos Espíritos" é uma de suas obras de grande expressão, tendo sido adaptada para o cinema. A história retrata a vida da família Trueba no Chile, durante as mudanças sociais e políticas ocorridas no século XX.

Harper Lee
A norte-americana Harper Lee escreveu apenas um livro, porém de grande repercussão que lhe rendeu o Prêmio Pulitzer. "O Sol é para Todos" retrata o racismo enraizado e velado na sociedade dos Estados Unidos no início do século XX, através dos olhos de uma criança.




Marjane Satrapi
Romancista gráfica, ilustradora e escritora infanto-juvenil, Marjane nasceu no Irã e alcançou notoriedade com sua série de quadrinhos autobiográfica, "Persépolis", que ganhou versão animada para o cinema e recebeu indicação para o Oscar. A história retrata a infância da jovem no Irã durante o regime xiita e a opressão do povo persa.

 
Anne Frank 
Anne Frank jamais imaginaria que seu diário, escrito durante seus anos de reclusão em um sótão, viraria um dos símbolos do sofrimento imposto aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Em "O Diário de Anne Frank", é possível conhecer os dilemas e angústias de uma menina frente ao conturbado período.


Malala Yousafzai
Considerada uma das jovens mais influentes no mundo e ganhadora do Nobel da Paz de 2014, Malala ficou conhecida em 2012, ao ser baleada na cabeça por talibãs. Malala então escrevia em seu blog a realidade da sociedade paquistanesa dominada pelos extremistas, os quais impediam as meninas e mulheres de frequentar instituições educacionais e violavam os direitos humanos. Seu livro "Eu sou Malala" traz o retrato de sua vida, destacando sua luta em defesa do direito à educação feminina.


Chimamanda Adichie
Atual e jovem autora nigeriana, Chimamanda é nome recorrente na luta pelos direitos das mulheres. Seu livro "Meio Sol Amarelo" é um dos seus títulos de destaque, tendo sido inclusive adaptado para o cinema. Porém, merece ser lembrado igualmente seu discurso feito no TED talk that, em 2012. Nomeado "We should all be feminists" ("Todos nós deveríamos ser feministas"), o discurso ganhou grande notoriedade e repercussão por falar sobre sexualidade e construção de gênero.


Rachel de Queiroz
A primeira escritora brasileira a entrar para a Academia de Letras, Rachel de Queiroz traz, no conjunto de sua obra, as lutas sociais e a realidade do povo nordestino na sua batalha contra a seca e a miséria. "Memorial de Maria Moura" e "O Quinze" são exemplares do trabalho da autora, que também foi tradutora, dramaturga, cronista e jornalista.




Essa foi nossa pequena lista de homenagem a grandes escritoras, grandes vidas que, através do poder da palavra, fazem crescer a luta pelos direitos e pela igualdade. Sabemos que a lista poderia ser bem maior, nomes de grandes autoras não faltam ao redor do mundo, mas como nosso espaço é limitado, escolhemos 15 personalidades femininas que acreditamos que representam a todas nós. Feliz Dia da Mulher!!! Exaltemos nossas conquistas, mas não esqueçamos que há ainda muito por se lutar!!!

Dicas para poupar em Livros

Olá, leitores! Tudo bem com vocês?!

Hoje o post que trazemos tem a função de dar dicas para se gastar menos na hora de adquirir livros. Afinal, poupar um dindim sempre é bom, ainda mais em tempos difíceis de crise em todo o país. Porém, poupar sem deixar de fazer o que se gosta é melhor ainda. Por isso, o post de hoje é perfeito para os leitores mais assíduos, pois temos algumas sugestões para que nenhum leitor precise deixar de conhecer novas histórias literárias e ainda guarde um dinheirinho.Vamos a elas?!

1 VISITE BIBLIOTECAS
A nossa primeira dica é muito simples e fácil. Visitar Bibliotecas. Sim, pessoal, a dica parece como "chover no molhado", mas, atualmente, não é mais comum as pessoas se cadastrarem em bibliotecas e muitas delas sofreram queda de público, principalmente com a popularidade da internet. Porém, elas continuam aí, às vezes bem pertinho da gente, e seguem se reinventando, investindo em acervo e infraestrutura. São bibliotecas de faculdades, institutos e escolas, mas também bibliotecas abertas ao público, que não necessariamente exigem vínculo estudantil com a instituição. Então, que tal virar um rato de biblioteca? Para quem é de Porto Alegre, como nós, clique nos links a seguir para conhecer alguns exemplos de bibliotecas públicas: aqui, aqui, aqui, aqui.

2 VISITE SEBOS
Outra alternativa para quem quer poupar ao adquirir livros é recorrer aos sebos. Para quem não tem preconceitos com livros de segunda mão, os sebos são excelentes lugares para descobrir novos títulos, muitas vezes, vendidos por uma bagatela. Nossa sugestão é que visitas aos sebos sejam feitas sem pressa, para que se possa realmente mergulhar na loja e descobrir verdadeiras pérolas. Também é possível que certos sebos aceitem trocas, ou seja, você leva aquele livro que não tem mais interesse em manter e leva pra casa outro com valor equivalente. 

3 FAÇA TROCAS
Hoje em dia, a tecnologia ajuda os leitores a realizarem suas trocas de títulos sem, obrigatoriamente, se conhecerem e morarem próximos. No Brasil, o Skoob é um maravilhoso site que permite trocar aqueles títulos que estão parados na sua estante por outros que você deseja ler. Além disso, é possível conversar com o dono sobre a situação física do livro ou, quem sabe, combinar a troca de forma que fique satisfatória para ambos, como, quem sabe, trocar uma coleção de mangás por um volume de chick-lit. Para leitores de obras em inglês, também sugerimos o site PaperbackSwap, onde você troca seus livros usados (em inglês, é claro) pagando apenas o valor do frete do título que você envia. Obviamente, o livro que depois você receber será gratuito, uma vez que o outro membro do site pagou pelo envio do mesmo. Para quem não quer optar pela troca on-line, existem ainda as opções das feirinhas ou bazares, geralmente organizados por bairros, bibliotecas ou pequenos comércios e instituições, basta se informar na sua cidade.

4 RECORRA ÀS VERSÕES DIGITAIS

Se você é um leitor adepto às ferramentas digitais ou que não se incomoda com o formato do livro, os e-books são excelente opção. Na grande maioria das vezes, eles costumam ser mais econômicos quando comparados aos livros físicos.

5 LIVROS DIGITAIS GRATUITOS
E já que estamos falando de e-books, quem sabe recorrer aos livros digitais gratuitos. Muitos títulos podem ser encontrados facilmente para download sem custos. Sites como Amazon ou Google Books disponibilizam milhares de livros para leitura gratuita. Vale ainda ressaltar que muitas obras clássicas se encontram sob domínio público e podem ser encontradas facilmente na internet para download. Vale a pena pesquisar.

6 COMPRAS ON-LINE
Nossa última dica para poupar ao adquirir livros é lançar mão das compras on-line. Certamente, para leitores mais assíduos, essa já é uma prática recorrente, mas vale sempre lembrar que as lojas on-line costumam oferecer preços diferenciados. Se você ainda não é adepto ao comércio virtual, nossa dica é: experimente! Procure um loja confiável, com boa reputação, que amigos já tenham recomendado e faça um teste para ver o que você acha. Afinal, comparativamente às lojas físicas, os livros em lojas virtuais costumam ter valores inferiores, sendo possível encontrar títulos com absurdas diferenças de preço. Além disso, as lojas on-line costumam fazer promoções frequentes, sendo também possível aproveitar cupons de descontos. O único problema pode ficar por conta do frete que, em algumas vezes, pode não ser muito atrativo. Nossa sugestão, nesse caso é a compra em grupo, ou seja, convidar amigos ou familiares para fazer um único pedido, onde vocês podem compartilhar o valor do frete ou, dependendo do preço final da compra, a loja ofereça frete grátis.


E então leitores, o que acharam das sugestões? Deixem seus comentários e compartilhem também com a gente as suas dicas para poupar na aquisição de livros!  


Quem lê, vive mais!!!

Olá, leitores! Tudo bem?!



Hoje viemos com um post, no mínimo, interessante e curioso. Ao navegar na internet, nos deparamos com um estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Yale, que afirma que meia hora de leitura diária está associada à longevidade. Pois é, amigos, além do prazer e dos novos conhecimentos que os livros nos proporcionam, agora eles também nos conferem mais anos de vida. Não é legal?!

Intitulado "A Chapter a day: Association of book reading with longevity", o estudo foi realizado com 3.635 pessoas com a intenção de verificar se ler livros traria benefícios efetivos para a saúde e se teria ou não efeitos na expectativa de vida daqueles que possuem esse hábito em comparação com aqueles que escolhem outro tipo de leitura. 

Os resultados se mostraram muito vantajosos para os leitores de livros, uma vez que constataram que esse tipo de leitura contribui para o aumento da taxa de sobrevivência em relação àqueles que optam por ler revistas ou jornais, por exemplo. De acordo com o estudo, os leitores de livros têm 20% menos risco de mortalidade nos 12 anos seguintes do que os que não leem livros. 

Publicado, em 2015, na Science Direct, e revisto em julho de 2016, o mesmo estudo traçou um perfil de como seria o público leitor de livros, afirmando ser este constituído, em sua maioria, por mulheres com formação superior e pertencentes à classe média. Porém, ao se analisar mais variáveis, entre elas, raça, sexo, nível econômico, profissão, etc, os estudiosos concluíram que as vantagens de ler são os mesmos entre todos os grupos. 

Consequentemente, o hábito de ler pode, sem dúvidas, aumentar a expectativa de vida. A rotina da leitura, mesmo de apenas meia hora por dia, se mostrou benéfica para a saúde, com destaque para a leitura de livros, cujo resultado se destacou e se mostrou impressionante quando comparado com o da leitura de outros materiais. Muito interessante, não é? Mais uma razão para lermos sempre: os livros são também um elixir de vida :) Bora ler?!






Popular Posts

Twitter

Instagram