"O Começo do Adeus" de Anne Tyler

quarta-feira, janeiro 09, 2013


“O Começo do Adeus”
Autora: Anne Tyler
Tradução: Ana Paula Corradini
Editora: Novo Conceito
206 páginas

Sinopse: Anne Tyler nos leva a um romance sábio, assustador e profundamente tocante em que descreve um homem de meia-idade, desolado pela morte de sua esposa, que tem melhorado gradualmente pelas aparições frequentes da mulher — na casa deles, na estrada, no mercado. Com deficiência no braço e na perna direita, Aaron passou sua infância tentando se livrar de sua irmã, que queria mandar nele. Então, quando conhece Dorothy, uma jovem tímida e recatada, ele vê uma luz no fim do túnel. Eles se casam e têm uma vida relativamente modesta e feliz. Mas quando uma árvore cai em sua casa, Dorothy morre e Aaron começa a se sentir vazio. Apenas as aparições inesperadas de Dorothy o ajudam a sobreviver e encontrar certa paz. Aos poucos, durante seu trabalho na editora da família, ele descobre obras que presumem ser guias para iniciantes durante os caminhos da vida e que, talvez para esses iniciantes, há uma maneira de dizer adeus.


Olá pessoal, tudo bem?!

Hoje a resenha é do livro “O Começo do Adeus” da autora Anne Tyler.  Antes de começar com a crítica de fato, preciso dizer que esta foi a primeira vez que tive contato com o trabalho da autora e, portanto, não tinha ideia do que esperar e estava curiosa. Minhas únicas ‘pistas’ do que poderia vir a ser a leitura foram realmente a sinopse, os comentários de orelha e a própria capa. Posso dizer que elas me decepcionaram um pouco.

A história do livro é sobre Aaron, um jovem homem de 36 anos (para mim, isso não é meia-idade como sugere a sinopse) que sofre desde a infância com uma deficiência física em seu braço e perna direitos. Apesar disso, Aaron é independente e trabalha como editor de livros na editora da família.  Casado com Dorothy, uma dedicada médica com quem se casou quando tinha 24 e ela 32 anos, ele acredita ser feliz e está satisfeito com a vida que leva até que uma tragédia inesperada destrói sua casa e tira a vida de Dorothy. 

Como não podia ser diferente, Aaron fica atordoado e perdido com a súbita perda da esposa, mas não demonstra isso de forma emotiva, especialmente para aquelas pessoas mais próximas como sua irmã e seus colegas de trabalho.

“Eu era mais do tipo ‘seguindo em frente’; do tipo ‘talvez, se eu não mencionar sua perda, você esqueça o que aconteceu’. Para falar a verdade, desejei que eles fossem assim também.” (pg. 63)

Aaron é orgulhoso e odeia o sentimento de pena alheia, talvez por ter precisado enfrentar desde criança a deficiência. Logo, para os olhos dos outros, ele finge estar tudo bem para não ter que pedir ajuda.  No entanto, em seu íntimo Aaron faz a análise de todo seu relacionamento com Dorothy, relembrando momentos felizes e tristes, características de personalidade que admirava na esposa ou aquilo que o irritava. É lembrando disso que Aaron se dá conta do enorme buraco que Dorothy deixou em sua vida e percebe o quanto a amava.  Até que, num dia qualquer, Dorothy reaparece para Aaron de forma tão real que ele consegue sentir até mesmo seu perfume. As aparições se tornam frequentes e ocorrem das maneiras mais inesperadas e ele começa a se perguntar se elas são resultado do espírito inquieto de Dorothy ajudando-o a dizer adeus ou só fruto de sua imaginação diante o período turbulento do luto.

“Imaginei a amiga de Ann-Marie acordando na manhã de hoje, o primeiro dia inteiro da vida dela sem o marido, e agradeci aos céus por já ter passado daquela fase. Apesar de sentir uma dor constante, parecia que havia me afastado um pouco, sem saber, daquela primeira dor insuportável. Eu me endireitei na cadeira e respirei fundo. Foi então que comecei a acreditar que conseguiria mesmo atravessar tudo isso.” (pg. 101)

“Eu sentia que ela esperava algo de mim que não conseguia pedir abertamente. Seu rosto ficava triste sem qualquer motivo aparente e eu perguntava: ‘O que é isso? O que foi?’. E ela dizia que não era nada. Eu podia sentir que a havia decepcionado, mas não tinha a menor ideia de como aquilo tinha acontecido.” (pg. 131)

“Eu mal tinha olhado para nossa casa. Por que me importaria com a casa? Andei em uma espécie de transe, mantendo minha marcha o mais constante possível, como se Dorothy fosse um líquido e eu estivesse cheio dela até a borda, movendo-me cuidadosa e vagarosamente para não derramá-la.” (pg. 135)

Apesar de o enredo nos lembrar daqueles que nos levam às lágrimas no mesmo estilo Nicholas Sparks, não é isso o que acontece. O romance, narrado em primeira pessoa por Aaron,  é sensível, mas sem grande sentimentalismo. O casal não é aquele tipicamente apaixonado e a abordagem do tema ‘morte’ é tratado de forma leve e com tom às vezes até engraçado, beirando o caricato.  O personagem principal Aaron, por exemplo, mesmo estando de luto não se mostra emotivo, talvez até encontre dificuldades em demonstrar suas emoções.  

“Estava muito preocupado com a possibilidade de uma reação emocional. Na verdade, não queria fazer a ligação. A gente não poderia continuar com a vida como se nada tivesse acontecido, já que Dorothy nunca via sua família mesmo? Não seria mais sábio? Mas Nandina me disse que eu precisava ligar.” (pg. 45)

A estrutura da narrativa não é linear e intercala passado e presente, o que nos faz ir aos poucos conhecendo os sentimentos de Aaron e suas reflexões. A escrita da autora é simples e direta, o que torna a leitura leve e rápida. Acredito que essa simplicidade se deva ao fato do narrador ser um homem com as mesmas características, isto é, simples e sincero, às vezes com tom de sarcasmo e até um humor negro.

Gostei da história e do fato dos personagens serem comuns, ‘tipicamente normais’ se é possível assim dizer, com suas ‘ranzinices’, manias, traumas, expectativas e superações.  É uma leitura gostosa, simples, mas sem grandes emoções. Acho que foi isso o que me causou certa decepção, pois tudo indicava que poderia ser um livro marcante e tocante. Além disso, não consegui estabelecer conexão entre a capa do livro e sua história, apesar de tê-la achada linda, com uma ótima fotografia. Enfim, é um livro bom para quem busca uma leitura simples e com certo tom melancólico, mas não para quem quer grandes emoções ou reviravoltas.

By Débora


Poderá gostar também

6 comentários

  1. Oi Dé!
    Eu também imaginava que fosse algo mais marcante e impactante, pena que não é.
    Parece um bom livro, mas também não me dá aquela sensação de que estarei perdendo algo, caso eu não leia.
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Mi, a leitura é bem gostosa, fluída (eu gostei da história), mas não dá pra ir cheia de expectativas, esperando altas emoções, pq não é o caso! O bom é que o livro é curtinho, então numa tarde dá pra ler tranquilo ;)
      Beijos

      Excluir
  2. Olá, ótima resenha!!
    Me lembrou uma mistura do livro questões do coração, e com um filme que eu assisti que a mulher ficava em coma e o marido repensava tuuuuuuudo o que aconteceu entre eles e que eu juro que não lembro o nome agora. ahahahahaha
    Me pareceu um livro bem simples, daqueles para ler numa tarde tranquila! :)

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Obrigada pelo comentário ;)
      Será que o filme não seria "Para Sempre"? Pelo o que tu disse, me lembrou esse título... Mas se for, pode acreditar que esse sentimentalismo todo não é encontrado em "O Começo do Adeus"! O livro é mais tranquilo, o personagem não deixa transparecer tanto os sentimentos, apesar de estar sofrendo! Realmente, dá para ler tranquilamente numa tarde... a leitura é bem leve ;)
      Bjos

      Excluir
  3. Ultimamente estou guardando uns livros no fundo da gaveta porque não tenho tanto interesse em lê-los. Este era um deles, mas agora vou ver adianto ele na frente da fila!!!

    Adorei os quotes!!! *-*

    Beijos
    Bia | www.livroseatitudes.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oie, parabéns pela resenha! Será que vale a pena comprar? Gosto de livro impactantes, apesar que gosto de ler todos os tipos de livros.
    Beijos .-.

    ResponderExcluir

- É permitido divulgar o endereço do blog/site, desde que seja feito em um comentário a respeito do post.
- Comentários realizados apenas para divulgar blogs/sites/promoções serão apagados.
- Utilize o formulário de CONTATO para avisos a respeito de memes/promoções/parcerias.

Popular Posts

Twitter

Instagram